01 dezembro, 2006

Arte X design: Qual a distância entre a Arte e o design?

Segundo o dicionário Arélio, Arte quer dizer:
“Capacidade que tem o homem de, dominar a materia, Por em prática uma idéia; Habilidade, engenho; Ofício (em especial nas artes manuais); Artes Pláticas: As que manifestam por meio de elementos visuais e táteis, reproduzindo formas imaginárias.

Se voltarmos um pouco a história e chegarmos ao período pré- histórico, vamos hoje valorar dentro da história da arte peças e elementos tidos com arte pura , porém essas peças neste período estava desenvolvido para algum fim, ou seja tinha uma significação sobrenatural de poderes mágicos, enfim…, as próprias pinturas das cavernas, especulam os arqueólogos, eram produzidas para garantir uma boa caça.
Ao contrário, o século XIX veio esinarmos a possibilidade que tem a obra de arte de independizar-se de toda função estranha para convertir-se em um fim último…. Ou seja, configurações que valem por si mesma. É esta uma das razões do refinamento hoje da arte e a transformação de sua própria função. Na contemporâneidade a arte cumprir um outro papel, o de fazer pesar, questionar… longe de ser um elemento puramente estética, contemplativo, passando hoje a ser vista com um certo estanhamento. É a partir dai que vamos encontrar perguntas ou comentarios corriqueiras, como: Isso é Arte?; O quê? Isso meu filho faz melhor!
Uma coisa é bom termos claro: tudo pode ser Arte, mas nem Tudo é ARTE.
Com o advento da revolução industrial, arte e técnica dialogam constantemente, não querendo aqui descartar a presença da técnica em períodos anteriores. E quando pensamos em técnica remetemos a questão funcional, é neste momento que incorporamos outras disciplinas que fazem parte da grande familia das artes visuais, onde podemos inserir o Design. E o que é o design? A palavra Design, como todos sabem, vem do inglês e que dizer projetar, compor visualmente ou colocar em prática um plano intencional. Não parece que já escutamos isso antes? Sim. realmete, quando classificamos o que seria arte. Mas então onde podemos diferenciar a arte do design ou design da arte? O que diferecia uma disciplina da outra é a sua intenção. A intenção do resultado final da obra. No design o resultado final tem uma intenção de supir uma necessidade, de atender a um mercado a um público específico. Enquanto a arte busca suprir a necessidade do seu próprio autor, suas inquietudes, questionamentos os quais podem ou não gerar uma resposta ao público.
Na pós-modernidade essas forteiras vão se extreitando, porém em campos bem definidos. Hoje quando vemos a cadeira dos irmãos Campana no MOMA –NY, preguntamos, é Design ou arte?. Sim é Design, mas essa peça passa agora a ser institucionalizada entrando para o clã das obras de artes – sendo Design. A cadeira dos irmãos Campana, atendem uma necessidade, uma funcionalidade, sua relação com o mercado, por ser uma peça que pode ser reproduzida e atingir um mercado consumidor, porém possui seu valor estético e inovador para ser inserido no sistema das artes. O qual, podemos classificar, sistema das artes aplicadas.
No que diz respeito as artes visuais, hoje na contemporaneidade, existe uma linguagem artística classificada como arte pública. Quando escutamos falar em arte pública remetemos a questão com, escultura, momumentos, etc, mas essa arte pública que falamos isere-se em um campo expandido como classifica Rosalin Krauss. Hoje o espaço ganha outra dimensão, a obra gera outros significados e outros interesses inserida em campo aberto a inumeras posibilidades. A arte público é uma arte longe de estar dentro das paredes de museus e instituições controladoras que ditam isso é arte, isso não é arte. Arte público busca um discurso social, voltado para uma crítica a um sistema dominador, procurando inserir-se no cotidiano das pessoas, indo ao encontro delas, denuciando, questionando, manifestando seus pensamentos e indignação a essa cultura globalizada, massificada.
Os artistas que hoje trabalham nessa vertente, vem se apropriando, se é que podemos chamar de apropriação, dos meios de expressão do Design, meios esses que tem como estrategias a comunicação visual direta para atingir a um público alvo.
Hoje quando vemos um trabalho do Artista Norte Americano, Dennis Adams, só para ter como exemplo, no qual interfere em estrutura de outdoor, pontos de ônibus, utilizando-se do design construtivo e anúcios publicitarios para trazer ao público suas inquietudes e questionamentos sobre a cidade e suas problemáticas, vemos que a arte e o design caminham juntos, porém com intensões ou necesidades diferentes.
Temos outros exemplos como o grupo poro de Porto Alegre, que trabalham com arte e design desenvolvendo intervenções públicas e muitos outros artistas e grupos que vem se manifestando no espaço público desde o físico ao virtual.
Neste momento o artista deixa de trabalhar com os meios e matériais ligados tradicionalmente as expressões artísticas, e passa a usar meios que atinjam diretamente o público que se encontra envolvidos em uma cultura de massa, onde as informações são imediatizadas através de signos e símbolos.
A arte e o Design sempre caminharam juntos, aliáis, não só essas duas linguagens. Nos anos oitenta, quando os fenômenos híbridos se estenderam de forma consciente e pragmática, as linguagens artísticas passa a hibridizar-se com outras linguagens e expressões. E ai percebemos que as forteiras entre uma área e outra, entre uma linguagem e outra, entre uma técnica e outra deseparecem, passando a fazer parte de um todo, sem deixar que desapareça as características de cada área, cada linguagem.
Por tanto, podemos assim dizer que a distancia entre arte e design estar na intenção de cada autor, onde este procura suprir uma necessidade seja ela pessoal, seja ela do mercado. Arte e desing caminham de mãos dadas sempre, onde buscam expressa de forma visual e táteis uma idéia.
Por:Bia Santos

2 comentários:

baus disse...

Não concordo quando se diz que o que os irmãos Campana fazem é Design. Quando voltamos na história na época da Revolução Industrial, o motivo pelo qual havia a necessidade de uma nova área chamada "Design" era exatamente o verdadeiro sentido do Design que é o projeto, ou seja, além dos fatores estéticos e funcionais, existe também a demanda da produção. Sem um projeto técnico não há como fazer cópias idênticas e ai perde a função do design. As cadeiras dos irmãos Campana, de ursinhos, pedaços de madeira ou qualquer outra não podem ser reproduzidas, logo não pode ser considerado design, apesar de serem arquitetos. Qualquer um pode fazer arte mas nem todos podem fazer design.

Trupe de Teatro e Pesquisa disse...

Concordo com o comentário anterior. Temos que perceber que o que o designer faz não é "apenas" arte. A Arte émais uma ferramenta tomada pelos designers para desenvolver projetos. Sem ela é impossivel fazer design de qualidade, como também é impossive sem tecnicas de materiais, metodologia, semiótica, etc. Já minha impresão sobre os irmãos Campana e extamente a contrária, eles se utilizam do design pra fazer arte. Com excelente qualidade (que podem ser objetos de desejo e de uso), mas fazem objetos artisticos.